quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Porque tudo muda

Esse ano, tudo foi diferente. A maneira como rompi o ano novo, o equilíbrio que mantive no momento que sempre imaginei que fosse desabar, descobrir pessoas que jamais imaginei que estariam ao meu lado e me surpreender com pessoas que pensei que estariam me apoiando e no entanto nem apareceram.

Dizem por ai, que para deixar o novo acontecer na nossa vida, a gente tem que saber deixar o velho sair. Sempre tive a presença materna em minha vida, já falei antes o quanto eu amava meu aniversário e parte disso eu devo a ela, minha mãe. Primeiro pelo motivo mais clichê: ter me dado a vida e muito além disso de ter me dado um exemplo de vida de alegria, de fé e de confiar em mim. Uma das coisas que eu mais gostava era acordar com a alegria que ela tinha no meu aniversário, todo ano sempre colocava uma fita cassete que tinha gravado a música dos patinhos cantando o parabéns, era uma sensação única. Esse astral que me fez fazer inúmeras contagens regressivas para que sempre chegasse o dia do meu aniversário. E agora, tudo é uma lembrança.. um passado bem vivido e aproveitado. 

Por outro lado, vem a fase da superação, de conviver com uma nova rotina, de não me entregar de braços abertos para a tristeza. E a contrapartida da perda, foi encontrar um amor que nem de perto foi o que um dia sonhei para mim, João é mais que tudo isso, e todo dia eu agradeço por ter ele ao meu lado, não apenas como namorado, mas como amigo, como companheiro. E por ele eu faço coisas não só para agradar, faço por ter o prazer de estar feliz.

Amigos, eles fazem parte da rotina, alguns sumindo, outros reaparecendo, nada muda nesse aspecto. Só acrescenta mais pessoas que gostei de conhecer.

Eita que 2012 deixou marcas bem antagônicas... o que teve de acontecer de ruim, aconteceu, entretanto o que teve de acontecer de melhor.. porque tudo muda na essência e no curso da vida.


E que venham novos desafios!